segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Mujica: 'Sem a força coletiva, não somos nada'

Ex-presidente do Uruguai manda recado à juventude: "Temos que superar o individualismo para transformar a sociedade".

Flávia Villela e Vladirmir Platonow, da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O ex-presidente do Uruguai e atual senador José Pepe Mujica defendeu ontem (27), no Rio de Janeiro, o aperfeiçoamento da democracia e repudiou golpes de Estado no continente. Ele foi aclamado por cerca de 5 mil pessoas, durante palestra na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), na noite de hoje (27). Estimativa do número de presentes é da assessoria da universidade.

Aos 80 anos de idade, o político uruguaio foi intensamente festejado pela plateia, majoritariamente formada por jovens, que ouviam entre momentos de completo silêncio ou de palmas entusiasmadas ao discurso de Mujica, marcadamente contra o materialismo capitalista e a favor da solidariedade humana. Ao ouvir dos presentes gritos de "não vai ter golpe", o político uruguaio fez uma acalorada defesa da democracia.

"Tenho dificuldade para entender, no momento, o que se passa aqui, porque não me corresponde. Porém, se tenho que ser claro, aventura com o uniforme dos milicos, por favor! Golpe de Estado, por favor! Este filme já vimos muitas vezes na América Latina. Esta democracia não é perfeita, porque nós não somos perfeitos. Mas temos que defendê-la para melhorá-la, não para sepultá-la", disse Mujica, e, mais uma vez, ouviu a plateia gritar: "Não vai ter golpe".

Mujica não quis comentar a crise política no Brasil, mas afirmou que o país "tem força suficiente para superar as dificuldades". "O problema é que vocês só veem derrotismo e acham que nada serve. Se teve gente que se equivocou, deve ser punida, mas vocês têm que seguir em frente."

A palestra, inicialmente programada para ocorrer no Teatro da Uerj, foi feita no anfiteatro, ao ar livre, com a colocação de telões em outros espaços do campi, para comportar todo o público. Mujica ressaltou a importância de os jovens seguirem com a luta política e defendeu a necessidade de serem solidários uns com os outros.

"Meus queridos, ninguém é melhor do que ninguém. Tenho que agradecer a sua juventude pelas recordações de tantos e tantos estudantes que foram caindo pelos caminhos de nossa América Latina. Vocês têm que seguir levantando a bandeira. Na vida, temos que defender a liberdade. E ela não se vende, se conquista. Fazendo algo pelos outros. Isto se chama solidariedade. E sem solidariedade não há civilização", destacou.

"Os estudantes tem que se dar conta que não é só uma mudança do sistema, é uma mudança de cultura, é uma cultura civilizatória. E não tem como sonhar com um mundo melhor se não gastar a vida lutando por ele. Temos que superar o individualismo e criar consciência coletiva para transformar a sociedade", concluiu Mujica.

Encontro com estudantes

Um dos assuntos abordados pelo público, que pôde fazer perguntas ao ex-presidente, foi a questão da liberação do consumo de maconha no Uruguai, com base em lei aprovada no seu governo. Mujica fez questão de frisar que nenhum vício é bom, "exceto o amor", e explicou porque decidiu tomar tal atitude em seu país.

Ele defendeu que a descriminalização das drogas é o melhor combate ao narcotráfico. No Brasil, a descriminalização do porte de drogas pelo usuário está atualmente em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

"Se queremos mudar algo, não podemos fazer do mesmo. No meu país, tomamos uma decisão. Como não podemos vencer o narcotráfico, pois de cada três presos, um é relacionado às drogas, ou por tráfico ou por delito que cometeu para conseguir dinheiro para comprar a droga, decidimos arrebatar o mercado. Isto não é legalização. É regulação", disse.

Durante seu mandato, de 2010 a 2015, o Uruguai aprovou a descriminalização da maconha, o casamento homoafetivo e a legalização do aborto.

"Iniciamos essa experiência no Uruguai e não sabemos no que vai dar, mas o que estava sendo feito não dava resultados. O narcotráfico é pior do que a droga. O que queremos é regularizar o consumo, assegurar que o consumidor possa comprar uma dose sem ter que recorrer ao narcotráfico", disse o senador.

"Nós não cremos que nenhum vício seja bom, salvo o do amor, todos os demais são ruins. Mas se o vício vai dominar uma pessoa, temos tempo de atendê-la, porque a temos identificada e conhecida. Se a deixo no mundo clandestino, ela vai seguir se aprofundando no vício," acrescentou.

A simplicidade do ex-presidente, que vive sem luxos, é uma das suas características. Para ele, os políticos devem viver como a maioria do povo e não como uma minoria privilegiada. "Se você se acostuma a comer na mesa dos ricos, pensará que é rico. Não há homem grande, há causa grande", completou Mujica.

A vinda de Mujica ao Brasil foi patrocinada pela Federação das Câmaras de Comércio e Indústria da América do Sul (Federasur), que o homenageou em evento na manhã de hoje na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro do Rio, onde discursou para cerca de 400 pessoas.

Mujica foi presidente do Uruguai entre 2010 e 2015. Militante do grupo de esquerda Tupamaro, ele foi preso político por 14 anos.

Texto original: CARTA MAIOR

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

4 erros que aparecem a cada escândalo de corrupção. Por Jean Wyllys

Postado em 26 ago 2015 por : Diario do Centro do Mundo
Jean Wyllys 
Jean Wyllys escreveu, no facebook, uma reflexão sobre a essência da corrupção. Você pode ler abaixo.

Existem quatro erros comuns que se repetem cada vez que um caso de corrupção vem à tona e se transforma no “escândalo”, sobre os quais precisamos refletir:

1) O problema da corrupção não são os casos individuais, porém, cada vez que um caso de corrupção estoura na mídia, é tratado como se fosse um caso isolado. Assistimos, então, à construção de um “vilão”, sobre o qual recai a culpa por algo que não é mais do que um sintoma de um problema sistêmico. Nenhum partido (nem o PSOL) está isento de ter, em suas fileiras, um corrupto. Se o problema fosse apenas existirem pessoas corruptas, não seria tão grave: a solução seria apenas identificar e expulsá-las. Mas sabemos que o problema não é esse.

A corrupção é um componente inevitável de um sistema de governo em que as campanhas são financiadas por bancos, empreiteiras, empresários do agronegócio, igrejas fundamentalistas milionárias e todo tipo de lobistas; a governabilidade se garante comprando votos no Congresso (e o “mensalão”, seja petista ou tucano, não é a única maneira de se fazer isso; existem formas indiretas, como a distribuição, entre partidos aliados, de ministérios e órgãos públicos em função não do mérito, mas do orçamento) e governantes e parlamentares se preocupam mais em agradar empresários e corporações do que em manter o espírito republicano.

2) O problema da corrupção não é só moral. O “udenismo” costuma dominar o debate sobre a corrupção, e tudo é reduzido a desvios éticos individuais. A corrupção é também um problema econômico (porque são bilhões de reais que “somem” do orçamento da União, dos estados e dos municípios) e, sobretudo, um problema POLÍTICO. Não é por acaso que o PT, que antigamente era visto como o partido da ética, passou a se envolver cada vez mais casos de corrupção desde que chegou aos governos.

A corrupção acompanhou a aliança com o poder financeiro e o agronegócio; veio junto com submissão ao fundamentalismo religioso e com os acordos cada vez mais escandalosos com pilantras disfarçados de pastores que dominam o Congresso; acompanhou o uso da repressão contra o povo nas ruas e a adoção do discurso da “segurança nacional” que, no passado, foi usado para reprimir aqueles que hoje estão no governo. Ou seja, o que houve não foi uma degradação moral, mas uma renúncia ideológica e programática.

E, por isso, a grana e os privilégios do poder substituíram, em muitos petistas (não em todos nem mesmo na maioria militante!), as convicções e a vontade de mudar o mundo como razão para se engajar na política. Então, se realmente quisermos acabar com a corrupção, o primeiro passo é voltar a dotar a política de sentido e conteúdo, para que mais gente entre nela desejando mudar o mundo e não ficar rico.

3) O problema da corrupção não é apenas a violação das normas, mas o fato de ela muitas vezes ser as próprias normas. Um bom exemplo disso é o financiamento de campanhas, que está sendo julgado pelo STF: se um candidato faz uma campanha milionária financiada por empreiteiras e empresários do transporte e, já eleito, tem que decidir entre aumentar ou não a passagem de ônibus ou tem de escolher entre os direitos dos moradores e os interesses de uma empresa cujo projeto imobiliário implica em removê-los, qual será mesmo a escolha dele? Se um senador teve sua campanha financiada pelo agronegócio, vai votar a favor de que tipo de Código Florestal?

Sendo assim, esse sistema eleitoral, que leva à formação de mega-coligações para garantir a governabilidade, não pode prescindir da corrupção. Ou vocês acham que o partido do sistema, que já foi aliado de petistas e tucanos, vai votar as leis porque lhe parecem boas se não tiver mais dois ministérios em troca? Tem inúmeras condições estruturais que favorecem ou até impõem a corrupção como combustível necessário para o funcionamento do sistema. Por isso, de nada adianta fazer, da corrupção, um problema apenas moral se não fizermos mudanças estruturais; se não mudarmos as regras do jogo.

4) A corrupção não é o único nem o mais importante problema da política. Vamos supor, por um instante, que fulano, candidato a presidente, governador ou prefeito, é uma pessoa comprovadamente honesta, no sentido mais restrito do termo: jamais usaria do cargo para se beneficiar ou beneficiar amigos e familiares; jamais enriqueceria com dinheiro público; jamais roubaria ou seria cúmplice ou partícipe de um roubo. Contudo, esse mesmo fulano defende uma política econômica que prejudica os trabalhadores; é fundamentalista, racista, homofóbico, tem ideias ultrapassadas sobre as relações humanas; é autoritário, personalista e etc. logo, a honestidade dever ser um dos requisitos para se escolher um político, mas não podemos nos esquecer de que o mais importante é a política que ele faz ou propõe: as ideias, o programa, a visão de mundo, os interesses em jogo.

Colocar a corrupção (vista, como já dissemos, como um problema moral, exclusivamente individual, identificado apenas com um determinado setor político e, ao mesmo tempo, despolitizado no sentido mais amplo) é também uma forma de esconder os verdadeiros debates de que o país precisa, como se todos os nossos problemas se reduzissem a três ou quatro escândalos convenientemente destacados nas manchetes.

Texto original: DCM

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A USINA DE ANGIQUINHO


quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Manifestações contra o Golpe


A MANIFESTAÇÃO QUE A TV SERGIPE E TV ATALAIA NÃO VIRAM E NÃO NOTICIARAM!!!!!!
Posted by Carlos Geografia on Quinta, 20 de agosto de 2015

terça-feira, 18 de agosto de 2015

QUANDO PÁTRIA E LUCRO SE CONFUNDEM


(Conclusão de “A Revolução dos Ricos”)

O enriquecimento dos ricos com a revolução industrial parecia infindável.

Alimentava essa ideia o constante aperfeiçoamento das máquinas e consequente crescimento da produção e a inquestionável dominação da África e da Ásia a partir de ações políticas e invasões militares garantindo acesso à matéria-prima mais barata e mão-de-obra abundante.

O crescimento dos lucros parecia sem limites.

Nunca os ricos foram tão ricos e a segunda parte do século XIX foi chamada de “La Belle Époque”, a Bela Época. Uma bela época para quem tinha a propriedade das máquinas e do capital, mas, não para os pobres e explorados.

Mão de obra infantil, exploração do trabalho feminino, ausência garantias (não havia jornada de trabalho definida, nem licença-saúde, repouso remunerado ou férias estabelecidas) e salários miseráveis, faziam da vida do operário um drama de horror.

Entretanto, na virada do século XIX para o XX, as nuvens negras que pairavam sobre a geopolítica europeia já eram bem visíveis.

Levados ao extremo da concorrência as grandes potências desconfiavam umas das outras.

A saturação do mercado a partir do crescimento da indústria alemã com uma produção que primava pela qualidade levava a um estado de excitação que provocava sentimentos revanchistas e ódios nacionalistas.

Cada vez ficava mais claro para empresários e governantes que apenas uma guerra seria capaz de redimensionar o mercado e reorientar o eixo do poder econômico.

O primeiro passo para a guerra foi convencer os povos que a guerra era uma necessidade de todos.

A guerra um ato de extrema violência e barbárie passou a ser francamente defendida pela mídia, pela publicidade e mesmo, por intelectuais.

Na Inglaterra se dizia “a vida de todo cidadão britânico será melhor no dia que a Alemanha for aniquilada”.

Bancos e empresas adquiriram ares ufanistas, como se o lucro do capital privado significasse desenvolvimento público. 

Amor à pátria, nacionalismo, independência foram conceitos utilizados à exaustão. 

Se não era necessário muito esforço para convencer homens a morrer em defesa do território agredido por um invasor, era necessária a construção de um cenário mentiroso para convencer a morrer... por nada. 

E assim, o miserável e massacrado operário, em pouco tempo repetia o discurso das elites.

O passo seguinte foi o estabelecimento de alianças que aproximariam nações que apesar de ódios antigos enfrentavam no mercado os mesmos rivais.
De um lado Inglaterra, França e Rússia de outro Alemanha, Áustria-Hungria e Itália/Turquia.

Tudo pronto faltava o fato que desse início aos combates. 

Como causa real não houvesse foi criado um e o assassinato de um político (o arquiduque da Áustria), um crime tão comum que o assassino já estava na cadeia menos de 12 horas após o atentado, foi feito de gatilho.

Encantados com o progresso industrial dos equipamentos bélicos vendia-se a ideia de que a Guerra seria rápida e quase indolor, fazendo com que jovens iludidos partissem para o campo de batalha sorridentes como quem sai de férias escolares, mas retornará a tempo da volta às aulas.

Por mais de quatro anos, de 28 de julho de 1914 a 11 de novembro de 1918, desenrolou-se o pior dos pesadelos já sonhado por qualquer europeu. 

Chamada na época de “A Grande Guerra” mais tarde de “I Guerra Mundial” a carnificina ceifou milhões de vidas e poderia se chamar de “A Guerra da Concorrência de Mercado”.

Pela primeira vez foram usados submarinos, aviões e armas químicas.

Milhões morreram no mar, no ar, na superfície e nas profundezas de trincheiras cavadas na terra.

Milhares de cegos, perdas de controle de movimentos, loucura e inutilizados por efeito de gazes no sistema nervoso central.
A Europa dizimada e mutilada nunca mais seria a mesma e a Bela Época tornou-se apenas uma vaga lembrança diante da época da dor.

A Revolução dos Ricos levara o mundo para a Guerra dos Ricos, mas, os mortos foram os jovens pobres, operários e filhos de pobres.

Tudo em nome da pátria... na verdade, do capital.

Enquanto a morte, a dor e o desespero foram de todos, o enriquecimento jamais deixou de ser de alguns.



Formado em Ciências Sociais
 com licenciatura em história

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

OS IMPOSTOS E OS EMPRÉSTIMOS

Todo cidadão esclarecido sabe que os impostos são pagos pelas pessoas quando compram algum produto ou consomem algum serviço. É comum vermos pessoas (principalmente empresários do comércio) que pagam mais impostos que vários trabalhadores juntos e por isso acham que merecem serem melhores tratados pelos serviços prestados pelo Estado! Se impostos são pagos quando do consumo de algum produto e serviços, quem paga os impostos pagos pelos empresários são os compradores dos produtos e serviços que eles vendem por intermédio das empresas que possuem.

Para impulsionar o consumo, os Estados e municípios, facilitaram a criação de indústrias e empresas dando incentivos fiscais e muitas vezes subsidiando a produção. Mas nem sempre o dinheiro arrecadado pelos impostos são suficientes para financiar a estrutura das industrias e de serviços e o Estado recorre a bancos privados (geralmente estrangeiros) para obter o dinheiro necessário.

O Estado brasileiro tomou um grande empréstimo, junto aos bancos ingleses, por ocasião da independência e isso sem falar que conseguiu a independência assumindo a Dívida Externa da Coroa Portuguesa (na prática comprou a independência), ou seja, o Estado brasileiro nasceu devendo. Todo empréstimo foi gasto para criação da estrutura do país que surgia e a grande maioria desse empréstimo foram investidos (gastos) na capital Rio de Janeiro.

A outra ocasião em que o Estado brasileiro tomou um grande empréstimo foi quando os empresários paulistas (os Barões do Café) chegaram ao poder central (1889 - Governo Prudente de Morais). Os Barões do Café, para desenvolver suas propriedades e facilitarem sua produção cafeeira, tomaram empréstimos triliardários junto aos Rothschilds , Lloyds e demais banqueiros ingleses a juros absolutamente escorchantes. Todo o dinheiro do empréstimo foi utilizando para construir a infra-estrutura do Estado de São Paulo.

Os empréstimos são utilizados para melhorar a infra-estrutura nos Estados do grupo que detém o poder, mas para o pagamento desta dívida, a cobrança,  vai para toda a população em todas as regiões país!
A foto acima ilustra perfeitamente o ocorreu na Sociedade Brasileira. A favela do lado esquerdo (Paraisópolis - SP) é habitada em sua maioria por imigrantes nordestinos (no nordeste houve muito pouco investimentos dos vultuosos empréstimos tomados pelo governo da união). Do lado direito a grande elite financeira do Estado de São Paulo que foi o Estado que mais se beneficiou com construção de uma infra-estrutura industrial na maioria dos casos bancados por vultuosos empréstimos do Governo da União.
Os impostos são pagos pelo consumo de serviços e produtos para toda a população e no caso do Brasil são justamente as classes sociais com menor poder financeiro que pagam mais impostos, mas os serviços prestados por esses impostos são feito na grande maioria nas regiões das pessoas que controla o Estado. Basta fazer uma pesquisa e irá notar que na grande maioria das cidades brasileiras é justamente nos bairros das classes mais poderosas financeiramente que os Estado (administrações estaduais e municipais) presta os melhores serviços.

Com a venda dos produtos provenientes da industria paulistas em todo território nacional e a devida cobrança de impostos sobre esses produtos, os consumidores estarão pagando  serviços em um Estado onde não residem. Ficando uma falsa impressão que os Estados consumidores, destes produtos, pagam poucos impostos em comparação ao grande arrecadação do Estado de origem de tais produtos (no caso citado São Paulo).Essa concentração no recebimento dos impostos se agrava mais com as compras efetuadas via internet!

Nos últimos anos, os investimentos na industria e agricultura nas demais regiões do Brasil (principalmente no Nordeste) sofreu uma melhor distribuição e em consequência os impostos, cobrados sobre os produtos, também acompanharam essa distribuição. Mesmo assim é necessário estudar e implantar novo métodos para a cobrança dos impostos, sobre produtos e serviços, para que o cidadão pague impostos pelos serviços que sejam ou serão ofertados no locais onde residem.

domingo, 9 de agosto de 2015

CONGRESSO DE BERLIM, O CONGRESSO DA MORTE

(CONTINUAÇÃO DE "A REVOLUÇÃO DOS RICOS")

Em sua primeira fase (século XVIII), a Revolução Industrial esteve restrita à Inglaterra, mas, na segunda fase (século XIX) ela se expandiu para outros países europeus, além dos Estados Unidos na América e Japão, na Ásia. 

A velocidade e o volume da produção multiplicaram-se por variáveis até então, impensáveis. 

A concorrência também. 

Impulsionada pelos avanços da tecnologia se produzia todo o essencial e já entrava-se no supérfluo. Nunca se necessitou tanto vender e faturar.

Na segunda metade do século XIX a Europa parecia uma panela de pressão. Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, Itália, já eram o que se poderia considerar, potencias industriais.

O mundo ficava cada vez menor para o alcance de seus lucros e a competição entre eles ameaçava a própria paz no continente.

Assim, a África, a Ásia e a Oceania, tornaram-se objetivos a serem conquistados. De lá poderiam vir matéria-prima por um preço muito mais barato se fossem geridas pelos próprios europeus, em vez de, simplesmente importadas. Além disso, os povos desses continentes poderiam também representar consumo garantido de seus produtos e mão de obra baratíssima se os produtos fossem feitos lá mesmo, na área de origem da matéria-prima.

Tudo muito parecido com a colonização da América entre os séculos XVI e XIX, e por isso, os livros de história registram esse pérfido plano de exploração com o nome de “neocolonização”.

Até mesmo o cinismo da justificação se repetia, apenas mudando a roupagem. 

Enquanto a justificativa para a ocupação das terras dos povos ameríndios e o massacre dessa gente era de que o Europa estava levando a religião cristã e as verdades de Deus através da salvação pela evangelização, agora, a justificava era de que os nobres povos da Europa estavam levando aos infelizes da África, da Ásia e da Oceania, o progresso da ciência e da tecnologia.

A Europa jurava promover a evolução econômica dessas regiões mais pobres e a isso chamavam “Darwinismo social”. Mas ocultavam que na verdade promoviam a exclusão, a destruição de culturas, as guerras e a morte.

Entre novembro de 1884 e fevereiro de 1885 os países imperialistas da Europa organizaram um Congresso da ganância e da perversidade, que iria dividir entre eles as “terras a serem conquistadas” a ferro e fogo. No Congresso de Berlim a África foi dividida entre eles como fatias de pão.

Diferenças étnicas e culturais dos povos africanos foram desconsideradas e a nova geografia que os europeus criariam dariam origens as Guerras tribais fratricidas que até hoje infelicitam gerações desses povos.

Já, na América, recém descolonizada, o processo foi mais político do que militar.

O capital europeu invadiu o continente em busca de mão-de-obra barata e consumo.

Na América, portanto, não se formaram Impérios, mas se promoveu o poder empresarial que denominamos de “imperialismo”.

Enquanto isso, os Estados Unidos, única nação industrializada do Continente trataria de expulsar a Espanha de Cuba e das Filipinas, reorganizando sua área de influência.

O mundo inteiro parecia um enorme mercado para uma burguesia que, de diferentes matizes nacionais, não parava de enriquecer às custas do sangue e das lágrimas dos não-industrializados.

A fome por lucros jamais estava saciada e os povos pobres foram sugados até o bagaço como laranjas de suco.

O pesadelo de alguns era o sonho dourado de outros poucos.

O que jamais o empresário europeu e seus sócios, os governantes de seus respectivos países poderiam imaginar é que, esse macabro banquete de exploração iria leva-los ao mais terrível de seus pesadelos.

A Primeira Guerra Mundial, que mataria mais do que qualquer outra guerra até então, seria apenas uma consequência da ganância sem freios e sem limites.

(Continua)


Formado em Ciências Sociais
 com licenciatura em história

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

A REVOLUÇÃO DOS RICOS


Qual foi a maior importância da Revolução industrial na história humana?

Antes de lembrar a definição mais simples “Revolução Industrial foi a introdução de novas tecnologias (máquinas) e novas fontes de energia (vapor, eletricidade) no sistema produtivo”, vamos refletir.

Qual a primeira consequência de colocar máquinas a fazer o trabalho humano? O fato de que as máquinas fazem mais ligeiro.

E qual a importância de fazer mais ligeiro? Certamente não é a melhor qualidade visto que um produto artesanal pode ser muito melhor que um produto feito pela máquina. Então qual a vantagem de fazer mais ligeiro? O fato que isso representa que se faz mais, em maior quantidade, aliás bem maior quantidade a partir de que as máquinas são aperfeiçoadas indefinidamente e, por isso, sempre fazendo mais e melhor.

Então, a pergunta mais importante: qual a importância de se fazer com a máquina e novas fontes de energia, consequentemente, mais rápido e em maior quantidade? A possibilidade de ganhar mais dinheiro.

Ulalá... eis o mistério da industrialização.

A Revolução Industrial foi uma revolução nas possibilidades de ampliação dos lucros.

Antes da revolução industrial os horizontes da riqueza eram bem mais modestos. O rico era rico mas não era imponderável. As peças de Shakespeare no século XVII eram vistas no mesmo teatro por pobres e ricos. Aliás, eles se conheciam. A diferença era que os pobres levavam as próprias cadeiras de casa.

Depois da Revolução industrial a possibilidade de lucrar e fazer fortuna se ampliou dramaticamente. O rico, ficaria tão rico que se tornaria invisível ao pobre.

Se antes fazendo 10 chinelos por dia o dono dos instrumentos e do capital ficava satisfeito se vendesse 8, depois da revolução, podendo fazer mil por dia, a venda tinha que ser compatível com a produção e consequentemente o dono das máquinas e do capital não se conformaria em vender 8 e ser rico, iria querer vender mil e ser milionário.

O trabalho industrial para funcionar, precisava de mão de obra abundante, matéria-prima mais barata possível e gente que comprasse. Gente, muita, muita gente, pois as máquinas, precisam de gente para opera-las. 

Desde o seu primeiro estágio, no século XVIII, a indústria resolveu o problema da mão de obra, transformando artífices em operários. Milhares, milhões de trabalhadores braçais foram enredados nas engrenagens que lhe tiraram os instrumentos e lhe deram um salário.

Para garantir a abundância da oferta de mão-de-obra e assim barateá-la, houve uma pequena revolução na agropecuária inglesa com os enclousures que, a partir da produção intensiva demitiu milhares, liberando-os para o trabalho nas cidades. 

Os segredos do processo da feitura do produto se perderam do antigo artesão com a máxima especialização, que ao mesmo tempo que tornava tudo mais rápido, escondeu do simples trabalhador o segredo do preço final do todo.

O artesão que antes, com seus instrumentos fazia todo o sapato, agora trabalhava numa sessão que fazia apenas a sola, por exemplo, e só sobre sola ele entendia e era especialista.

Dessa forma embora a produção tenha se multiplicado a riqueza não foi do estado e de seus cidadãos, mas apenas dos proprietários das máquinas e das fábricas, portanto, uma revolução dos ricos.


Formado em Ciências Sociais
 com licenciatura em história

domingo, 2 de agosto de 2015

Os 11 princípios do ministro da propaganda nazista, Joseph Goebbels

Qualquer semelhança com as práticas da mídia golpista brasileira é mera coincidência...

Jornal GGN

Conhece Joseph Goebbels, o violento ministro de propaganda de Hitler? Estes são os 11 princípios que levaram o povo alemão a tentar exterminar à humanidade:

1.- Princípio da simplificação e do inimigo único.

Simplifique não diversifique, escolha um inimigo por vez. Ignore o que os outros fazem concentre-se em um até acabar com ele.

2.-Princípio do contágio

Divulgue a capacidade de contágio que este inimigo tem. Colocar um antes perfeito e mostrar como o presente e o futuro estão sendo contaminados por este inimigo.

3.-Princípio da Transposição

Transladar todos os males sociais a este inimigo.

4.-Princípio da Exageração e desfiguração

Exagerar as más noticias até desfigurá-las transformando um delito em mil delitos criando assim um clima de profunda insegurança e temor. “O que nos acontecerá?”

5.-Princípio da Vulgarização

Transforma tudo numa coisa torpe e de má índole. As ações do inimigo são vulgares, ordinárias, fáceis de descobrir.

6.-Princípio da Orquestração

Fazer ressonar os boatos até se transformarem em notícias sendo estas replicadas pela “imprensa oficial’.

7.-Princípio da Renovação

Sempre há que bombardear com novas notícias (sobre o inimigo escolhido) para que o receptor não tenha tempo de pensar, pois está sufocado por elas.

8.-Princípio do Verossímil

Discutir a informação com diversas interpretações de especialistas, mas todas em contra do inimigo escolhido. O objetivo deste debate é que o receptor, não perceba que o assunto interpretado não é verdadeiro.

9.-Princípio do Silêncio.

Ocultar toda a informação que não seja conveniente.

10.-Princípio da Transferência

Potencializar um fato presente com um fato passado. Sempre que se noticia um fato se acresce com um fato que tenha acontecido antes

11.-Princípio de Unanimidade

Busca convergência em assuntos de interesse geral apoderando-se do sentimento produzido por estes e colocá-los em contra do inimigo escolhido.

Qualquer semelhança com as práticas do PIG é pura coincidência....


Texto original: CARTA MAIOR

sábado, 1 de agosto de 2015

O fascismo não chegará. Ele já está

Não é preciso que algum facínora suba a rampa do Palácio do Planalto para que o fascismo chegue no Brasil: ele já está.

Alberto Kopittke

Observação inicial: escrevo esse texto “inspirado” pelo vídeo de um jovem que agoniza baleado no chão sendo xingado e que está disponível na minha página do Facebook. O vídeo possui centenas de comentários de apoio e celebração.

O fascismo não é a chegada de um líder de massas ou um Partido, com um projeto totalitário ao poder. Ele é antes de tudo um estado de espírito da sociedade.

As imagens de Hitler e dos campos de concentração têm a importância fundamental de nos alertar até onde uma sociedade pode chegar, independente do seu chamado “grau de desenvolvimento” cultural. No entanto, essas imagens fortíssimas de seres humanos sendo exterminados em massa acabam por encobrir as formas menos “agudas” dessa faceta do comportamento humano.

Hannah Arendt sempre chamou a atenção que o mais perigoso do fascismo era a forma como as pessoas – sejam elas juízes, políticos, jornalistas, professores ou de qualquer outro tipo de profissão – aceitam passivamente a escalada de ódio, até que começam a participar dos seus mecanismos, como se não houvesse alternativas entre silenciar ou aderir.

O fascismo se manifesta no cotidiano de formas muito mais tênues, que não precisam de homens vestindo uniformes e marchando pelas ruas, e não é dirigido apenas contra judeus. Ele é a implosão da capacidade de dialogar sobre os problemas da sociedade e da capacidade de conviver com as diferenças. Em seu lugar entram o que Zaffaroni chamou de discursos justificadores, que justificam e preparam o ambiente para as manifestações de ódio e extermínio contra os “inimigos”.

O pior resultado da atual crise política, é que o Brasil vive, mais uma vez, uma clara escalada do sentimento fascista. As pessoas sentem ódio, crescem os linchamentos públicos e aumenta o apoio a atitudes de “justiçamento” e tortura praticadas pelo aparato público.

Todas as forças democráticas têm responsabilidade sobre isso.

O PT e o Governo Dilma têm responsabilidade por ter interrompido as políticas públicas de prevenção a violência que estavam em curso e no seu lugar não ter colocado nenhum programa de grande escala ao longo de cinco anos. Com isso, as forças autoritárias passaram a se apresentar como alternativa para a redução da violência do Brasil.

FHC, os tucanos e o alto empresariado têm responsabilidade ao aceitarem partilhar a oposição ao PT com segmentos assumidamente fascistas e autoritários.

Ambos têm responsabilidade por não denunciarem o perigoso crescimento dos setores que misturam discursos religiosos fundamentalistas com ocupação de espaços políticos.

A grande mídia tem responsabilidade por não denunciar claramente o discurso do ódio e muitas vezes o difundir nos seus programas sensacionalistas e na falta de qualidade no debate sobre Segurança Pública.

A discussão sobre o fascismo não tem nada a ver com ser de esquerda ou de direita. Em ser liberal ou socialista. Em ser petista ou tucano. Em ser cristão ou ateu. Todas as linhas ideológicas e religiosas já serviram, num lugar ou outro, de justificativa para a barbárie. Trata-se de demarcar claramente a defesa dos princípios do estado democrático de direito e denunciar todos os discursos que justificam sua violação.

É absolutamente incerto o futuro político do Brasil. Nessa incerteza, os comportamentos de ódio ocorrem livremente no cotidiano, com cada vez mais apoio e aplauso. Quem demonstra contrariedade com as diversas manifestações de barbárie é chamado de fraco, de defensor de bandidos e passa a ser ameaçado.

Não é preciso que algum facínora suba a rampa do Palácio do Planalto, pelo voto ou pelas armas, para que o fascismo chegue no Brasil.

O fascismo não chegará. Ele já está.

Texto original: CARTA MAIOR