domingo, 18 de junho de 2017

Os jornalistas da Globo são tão responsáveis pelo golpe quanto seus patrões.

Por Paulo Nogueira


Minha tolerância com qualquer coisa produzida pela Globo é baixíssima.

Tudo ali me provoca repugnância.

Mas acabei vendo alguns minutos da GloboNews no dia em que Waldir Maranhão anulou, ou tentou anular, a sinistra sessão em que bufões da Câmara aprovaram o golpe.

No pouco que aguentei ver, o que mais me impressionou foram as análises da comentarista Cristiana Lobo.

Ela acredita mesmo nas coisas absurdas que fala? Foi essa a pergunta imediata que me fiz.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

CRONOLOGIA DE SLOGANS COXINHAS



De certa forma o “Minha Bandeira não será Vermelha” tem um certo charme se considerarmos que o anticomunismo costuma ser daltônico, mas a sequência cronológica da chamada dos conservadores revela uma enorme falta de prática política além de enorme mal gosto acompanhado de erros contumazes. Senão, vejamos:

Primeiro o brado era “Não Vai ter Copa”, numa antipatriótica manifestação de boicote a um evento internacional e à imagem do Brasil. Mas, teve Copa e, excluindo-se nossa tristeza futebolística contra a Alemanha, o evento foi um sucesso.

domingo, 4 de junho de 2017

Entenda porque bancos incentivam a corrupção de governos

De acordo com Hudes, a elite usa um núcleo hermético de instituições financeiras e mega-corporações que dominam o planeta.

Veritas Radio


Karen Hudes é uma graduada da Escola de Leis de Yale e trabalhou no departamento jurídico do Banco Mundial por 20 anos. Na verdade, ela foi demitida pela divulgação de informações sobre corrupção dentro do Banco Mundial, sua posição era “conselheiro legal.”

Ela teve uma perspectiva clara para mostrar como a elite domina o mundo, e a informação que está a revelar ao mundo é absolutamente incrível. De acordo com Hudes, a elite usa um núcleo hermético de instituições financeiras e mega-corporações que dominam o planeta.

sábado, 3 de junho de 2017

Dieese analisa impacto de ataque a direitos trabalhistas

Dieese avisa que medidas afetam drasticamente para pior as condições de vida e aprofundam a heterogeneidade, rotatividade e desigualdades já existentes

spbancarios.com.br


Brasília - O Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) divulgou nota técnica sobre os impactos da reforma trabalhista do governo ilegítimo de Michel Temer sobre a classe trabalhadora do Brasil. Nela, afirma que “a lei do contrato temporário e da terceirização, ao contrário do que deveria, não garante a segurança jurídica tão almejada pelas empresas e poderá levar ao aumento de conflitos e à judicialização dessas formas de contratação, trazendo para os trabalhadores maior insegurança, instabilidade e precarização das condições de trabalho”.