sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Mídia dificulta compreensão da realidade



Por Vitor Nuzzi, na Rede Brasil Atual:

Se o mundo parecia acabar e o Brasil caminhava para o abismo em certos momentos históricos, agora, mesmo sem dados efetivos, o noticiário dá conta de uma "recuperação" em curso. A diferença estava no governo da vez. "O contrário do terrorismo econômico é a euforia econômica indevida", diz a economista Leda Paulani, professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), durante debate sobre a cobertura jornalística promovido pelo Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé, ontem (18) à noite, na região central de São Paulo. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Anticomunismo ainda cega os militares


Por Bepe Damasco, em seu blog

Como não consegue ver um palmo além do nariz, a mídia monopolista interpretou como uma manifestação de revolta contra a corrupção generalizada o recente assanhamento golpista dos militares. Nada mais falso.

Ressalvadas todas as exceções - eu mesmo sou testemunha da retidão moral de um irmão militar e de meu falecido pai, veterano da FEB-, mas desde quando os militares têm autoridade para posar de paladinos da lisura no trato da coisa pública?

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Consumidores mirins e a infância perdida

Por Renata Mielli, no site Mídia Ninja:
É chover no molhado dizer que vivemos em um mundo que está assentado no consumo. Tudo o que fazemos, queiramos ou não, começa ou termina consumindo bens e serviços. Não somos mais pessoas, somos consumidores.

E nesta sociedade do consumo os meios de comunicação de massa (televisão, rádio, jornais, revistas e inclusive a internet) são os grandes vendedores de produtos, serviços e mais: nos vendem um padrão de beleza e comportamento, nos vendem modos de pensar.

Para consumir é preciso de dinheiro, e para ter dinheiro, temos que trabalhar. E o que acontece com as crianças???? Bom, elas deveriam estar na escola. Mas no Brasil praticamente não há escolas públicas em tempo integral, não há uma rede pública de cuidado e as crianças são criadas pela televisão (e agora cada vez mais pela internet).

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Escola, religião e Estado laico




Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

A decisão do Supremo Tribunal Federal em rejeitar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, proposta pela Procuradoria Geral da República, traz questões importantes para a sociedade brasileira. A votação apertada, 6 votos a 5, que exigiu “voto de Minerva” da presidente do STF, Cármen Lúcia, é uma prova da divisão sobre o tema: o ensino religioso confessional nas escolas públicas. Confirmando as leis vigentes, os professores poderão dar aulas de religião no ensino fundamental, de acordo com suas crenças.

sábado, 23 de setembro de 2017

Desconectados de todo o mundo, uní-vos!


Por Renata Mielli, no site Mídia Ninja:

Com a metade do mundo desconectada e com a diminuição no ritmo de crescimento de novas conexões, vai se criando um novo exército de excluídos, os excluídos digitais. A exclusão digital aprofunda as desigualdades entre indivíduos, famílias, regiões e países, determinando novos padrões de miséria e impondo novos desafios para a luta pelo fim da opressão capitalista.

E esta avaliação não é minha, é do secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, por ocasião do lançamento do mais recente relatório da organização sobre a situação da Banda Larga no mundo, o State of Broadband 2017, da Comissão de Banda Larga da UIT. Zhao destacou que “os países ‘de ponta’ digitais estão avançando ainda mais, enquanto os países em desenvolvimento estão, em geral, sendo deixados para trás”.

Da ditadura civil rumo à militar?


Por Leonardo Boff, em seu blog:

O que vivemos atualmente no Brasil não pode sequer ser chamado de democracia de baixíssima intensidade. Se tomarmos como referência mínima de uma democracia sua relação para com o povo, o portador originário do poder, então ela se nega a si mesma e se mostra como farsa.

Para as decisões que afetam profundamente o povo, não se discutiu com a sociedade civil, sequer se ouviram movimentos sociais e os corpos de saber especializado: o salário mínimo, a legislação trabalhista, a previdência social, as novas regras para a saúde e a educação, as privatizações de bens públicos fundamentais como é, por exemplo, a Eletrobrás e campos importantes de petróleo do pré-sal, bem como as leis de definem a demarcação das terras indígenas e, o que é um verdadeiro atentado à soberania nacional, a permissão de venda de terras amazônicas a estrangeiros e a entrega de vasta região da Amazônia para a exploração de variados minérios a empresas estrangeiras.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

As cenouras, os coelhos e as convicções


Sempre me passaram a ideia que cenoura é o alimento preferido dos coelhos e isso me foi ensinado quando criança. Na adolescência, além da predileção dos coelhos pelas cenouras, fiquei sabendo que cenoura era bom para a vista e eu ficava me perguntando de onde tiraram a afirmação. Foi que de tanto me informarem da tal qualidade das cenouras, eu passei a questionar: de onde você tirou essa ideia? Sempre recebia uma outra pergunta de volta: você já viu algum coelho de óculos?

Durante o curso na universidade (UFS) escutei essa afirmação dezenas de vezes. Claro que os meus colegas estudantes faziam essa afirmação sabendo que era apenas uma brincadeira, mas o que eu sempre achei interessante é que tinha algumas pessoas nas áreas rurais que afirmavam com convicção de como era uma coisa verdadeira, mas era somente convicção e não um fato comprovado.