sexta-feira, 13 de julho de 2018

Google Forms: Passo-a-passo para Criar Formulários Online


quinta-feira, 5 de julho de 2018

Como Usar o Google Drive para Salvar e Criar Arquivos na Nuvem




domingo, 1 de julho de 2018

A tragédia anunciada nas eleições de 2018


Por Marcos Verlaine, no site do Diap:

A quatro meses das eleições de outubro já é possível antecipar uma tragédia anunciada. A grande possibilidade de recorde de votos brancos, nulos e abstenções que poderão produzir muitíssimas surpresas desagradáveis no pleito. Da eleição para presidente da República, até deputados estaduais tudo pode acontecer. Inclusive o nada!

Explico: eleger candidato ou candidata que poderá, ao invés de ajudar resolver os problemas, aprofundá-los e/ou ampliá-los, reproduzindo as políticas do atual governo ou reeleger a maioria do atual Congresso. Só para ficar no plano federal.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

RNBC: A transformação social pela leitura literária através de ações realizadas por várias mãos.

Quando voltamos os olhos mais atentos para a situação das periferias, vemos o quanto o abismo do acesso à leitura se aprofunda

Rafael Andrade / 25 de junho de 2018

Quando se fala em leitura literária, há uma idealização da ação: você deitado confortavelmente em alguma poltrona, um abajur ao lado para não cansar a vista, um café forte e quentinho para ir bebericando enquanto folheia os livros com um leve sorriso de prazer no rosto. Esta cena é quase uma pintura digna de emoldurar e colocar na sala de estar. Mas a realidade vai além disso, não afirmo que uma cena dessas não possa acontecer, mas, com o trabalho de dez anos nas bibliotecas comunitárias, a cena que se mostra é totalmente inversa a esta e requer um trabalho com múltiplos atores.

Muitas crianças chegam à adolescência sem ao menos ler ou até leem com muita dificuldade, como apontam dados do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), divulgados ainda no início deste ano. Apesar dos avanços na educação, o brasileiro só estará no nível educacional relacionado à leitura, comparado a países desenvolvidos, daqui a 260 anos. Isso pode estar relacionado a outro dado divulgado pelo Instituto Pró-Livro, na pesquisa Retratos da Leitura no Brasil em 2016, em que 44% da população brasileira ainda não possui o hábito da leitura.

A importância do incentivo à leitura desde cedo. Foto:
Dany Praça da Rede de Leitura Sou de Minas integrante da RNBC

domingo, 24 de junho de 2018

A guerra do Cade contra o emprego

por Rafael de Araújo Gomes* — publicado 21/06/2018 14h00, última modificação 21/06/2018 10h41

Não deveria o Cade vetar operações que causam prejuízo à concorrência? Não o faz graças à figura das 'eficiências econômicas'

Cade propõe a eliminação dos frentistas, o que acabaria com mais de meio milhão de empregos
No dia 29 de maio, em meio à greve dos caminhoneiros, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) lançou um estudo chamado “Repensando o setor de combustíveis: medidas pró-concorrência”. Entre as propostas do estudo, destinadas a “melhorar o mercado”, constou a seguinte: “permitir postos autosserviços”.

Segundo o Cade, “este sistema tende a reduzir custos com encargos trabalhistas com consequente redução do preço final ao consumidor”, e “a existência de uma forma mais eficiente do ponto de vista econômico... não pode ser barrada apenas porque desagrada alguns setores específicos da sociedade, em detrimento do bem-estar geral da sociedade”.

Em outras palavras, o que está propondo o Cade é a eliminação dos frentistas dos postos, medida que poderia acabar em definitivo com mais de meio milhão de empregos em todo o País.

domingo, 17 de junho de 2018

CRISE ARGENTINA ESCANCARA A TRAGÉDIA DA INCOMPETÊNCIA NEOLIBERAL E DESMENTE MAIS UMA VEZ O MITO DE QUE O PT QUEBROU O BRASIL.



(Do blog com equipe) - O pedido de penico da Argentina ao FMI, de 50 bilhões de dólares, uma situação impensável no governo Kirchner, que zerou o passivo do país com a instituição e diminuiu a dívida pública em dois terços, mostra o perigo de se entregar o país aos “analistas” do mercado, que só pensam em manipular investidores e promover a especulação, e em mentir descaradamente a serviço de uma mídia mendaz e hipócrita, na televisão e em outros meios de comunicação.

Quando Nestor Kirchner subiu ao poder, depois do desastroso governo austericida e conservador - na economia - de Fernando De La Rúa, as reservas internacionais argentinas eram de 14 bilhões de dólares e a relação dívida pública-PIB de 135% - uma das mais altas do mundo.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Ditadura e a maluquice dos intervencionistas

 

Por Emílio Rodriguez e Guilherme Silva, no site Jornalistas Livres:

Andar com uma bandeira do Brasil não te faz patriota, pois defender o Brasil é lutar para preservar nossas riquezas, nosso patrimônio, lutar contra a privatização, lutar pela redução da desigualdade entre os brasileiros e por uma vida digna para todos.

Há dois anos os intervencionistas estavam nas ruas pedindo a subida de Temer ao poder e agora dizem na maior cara de pau que querem limpar o país da corrupção. Eles são responsáveis pelo golpe, pela destruição de direitos do povo, venda do nosso patrimônio, aumento da desigualdade, ou seja, pela destruição de nosso país.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

A resistência dos professores

por Karla Monteiro — publicado 04/06/2018 00h20, última modificação 30/05/2018 18h36

A Conferência Nacional Popular da Educação, realizada em Belo Horizonte, busca ser uma resposta ao desmonte do ensino

Caminhada pelas ruas de BH abriu o evento
Corria o ano de 1988. Depois de duas décadas de silêncio, o Brasil ouvia o barulho das mobilizações populares, com os diversos setores organizados em torno do debate constitucional. Naqueles dias de efervescência política, trabalhadores da educação iniciaram a luta pela inclusão na nova Constituição, promulgada em outubro, do Fórum Nacional da Educação, espaço permanente de diálogo entre a sociedade e o governo.

O FNE só sairia do papel 22 anos depois, em 2010, durante o segundo governo Lula, com a realização da primeira Conferência Nacional de Educação. Durou pouco. Depois do impeachment de Dilma Rousseff em 2016, o debate público foi ignorado e prevaleceu unicamente o interesse dos empresários do setor.