sexta-feira, 27 de maio de 2011

A Falácia da Carga Tributária no Brasil

O Brasil teve, em 2009, a 22ª carga tributária no mundo. Dos países que tinham carga tributária maior que a nossa, 14 eram países desenvolvidos europeus.

O país mais rico do mundo, a Noruega, tinha carga tributária de 43,6% e arrecadou 25 mil dólares per capita. O Brasil tinha carga tributária de 38,4% e arrecadou 4 mil dólares PPC per capita.

Gostaria que os liberais mostrassem como fazer o milagre de se ter serviços de 25 mil dóllares arrecadando 4 mil.

Tabelas
Gostei porque ele trouxe estatísticas que provam uma coisa óbvia. A comparação entre cargas tributárias dos diferentes países, repetidas de maneira leviana pela mídia, apenas fazem sentido se cotejadas com o tamanho do PIB per capita. Enfatizo o "per capita", visto que os gastos mais importantes de um Estado são a previdência social e a saúde pública, cuja magnitude é atrelada naturalmente à população.

Se um país tem um PIB per capita alto, ele pode até se dar ao luxo de ter uma carga tributária menor, porque o total arrecadado é grande. O que nem é o caso, visto que as nações desenvolvidas, em geral tem uma carga tributária bem elevada.

Repete-se, por outro lado, que alguns países ricos tem carga tributária menor que a do Brasil, como os EUA. De fato, a carga tributária nos EUA é de 28%, contra 38,8% no Brasil. Entretanto, como os EUA tem um PIB monstruoso, tanto absoluto como per capita, essa carga corresponde a uma arrecadação per capita de 13 mil dólares. A do Brasil, é de 3,96 mil dólares... Ou seja, a expressão clichê sobre o Brasil ter impostos de norte da europa e serviços públicos de qualidade africana nunca me pareceu tão absurda e idiota.



(CLIQUE NA TABELA PARA AMPLIAR)

Eu não sou a favor do aumento dos impostos. Tenho micro-empresa e estou sempre à beira de sucumbir sob o peso mastodôntico, complexo e kafkiano das taxas que desabam quase que diariamente sobre minha cabeça. Mas não podemos ver a questão com leviandade. A mídia patrocina uma campanha irresponsável contra o imposto no Brasil. Este deve ser simplificado, naturalmente, e porventura reduzido para empresas pequenas, mas devemos mostrar à sociedade a situação real. Não podemos nos comparar com nenhum país desenvolvido, porque o nosso PIB per capita ainda é baixo. Ainda temos que comer muito feijão com arroz.

Por outro lado, é igualmente injusto falar em "serviço público" africano, expressão que, além de ser politicamente incorreta, é também totalmente inexata. Temos uma previdência social quase universalizada. A saúde pública é abarrotada e sofre constrangimentos em vários setores, mas nosso sistema de vacinação é de primeiro mundo. O tratamento gratuito, inclusive com distribuição de remédios, que damos aos soropositivos, não encontra paralelo nem nos países mais avançados.

Não douremos a pílula, todavia. Ainda temos muito o que aprimorar em termos de serviço público, nas áreas de saúde, educação e infra-estrutura. Mas, por favor, sem a viralatice de nos compararmos às economias destruídas por longas guerras civis, nível de industrialização baixíssimo e desemprego às vezes superior à metade da população ativa.

O debate sobre a carga tributária tem que ser feito com muita seriedade, botando as cartas na mesa, evitando ao máximo o uso desses clichês desinformativos. Os impostos no Brasil são altos, pesam no bolso de empresários, classe média e no custo de vida dos trabalhadores. Mas em valores absolutos, o imposto é baixo, deixando pouca margem para o Estado gastar com serviços e infra-estrutura. O caminho, portanto, é investir no crescimento econômico e na racionalização cada vez maior do gasto público. Seria loucura, porém, promover uma redução brusca da carga tributária, que implicaria em jogar o valor do imposto per capita no Brasil ao lado das nações mais atrasadas do planeta. Ajamos com prudência, responsabilidade, inteligência.

14 comentários:

  1. OLá, tudo bem? O que é questionável é a pesada carga tributária sem a qualidade dos serviços prestados... Pagam-se impostos, mas também mensalidade escolar, plano de saúde, pedágio e por ai vai.. Abraços, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto. Nem tinha parado para observar isso. A mídia, que em sua maior parte pende para o lado dos tucanos, tenta ludibriar o cidadão brasileiro com dados superficiais e deixando metade da história sem ser contada.

    ResponderExcluir
  3. O que tem que ser ressaltado também é que a carga brasileira é alta devido, em grande parte, ao déficit social e às próprias dimensões do país, que obrigam a que se mantenham serviços dispersos por um território enorme. A questão do déficit social que atinge grande parte da população brasileira, um problema historicamente criado, é que o governo tem que dar de graça o que nos países desenvolvidos os cidadãos podem pagar ou comprar (casa, saúde, comida e medicamentos para milhões de hipossuficientes). Claro que a qualidade não pode ser igual à da Suíça ou Suécia ...

    ResponderExcluir
  4. Em partes.

    1-tenho Plano de sáude assim como 39 milhoes de brasileiros ou seja, 38 milhoes pagam e não usufruem do SUS e pior é os 38 milhões que mais ganham, o SUS teoricamente é dimensionado para 190 milhoes tiramos 38 que não usam então teriamos que ter um serviço ótimo.
    trocando em miudos, voce faz uma festa para 190 pessoas é só aparece 152 pessoas isso significa que sobrará cerveja, churrasco e refrigerante certo?
    2-Um carro nos USA custa metade do seu similar no Brasil.
    3-o sistema tributário americano funciona pela cobrança na fonte ou seja quando sai da fabrica o imposto é arrecadado portanto é insonegavel não precisa ter maquininha ECF lacrada e outras frescuras mais no Brasil o governo não quer assim.
    4-nossa carga tributária é vergonhosa pois temosrodovias piores que a dospaises africanos, estive no Iraque a um ano atrás e la eles tem rodovias com 10 pistas em cda sentido e todas suas rodovias são duplicadas , e não esqueçam que o iraque tem o pib 20X menor que o do Brasil.
    5-Nos Estados Unidos a mais alta aliquota que incide sobre produtos é de 6% no Brasil a mais Baixa é de 27% e a mais alta é de 176% trocando em miudos o governo rouba e o cidadão se defende .
    Já foi feito um estudo que se reduzisse nossa carga tributária para 25% do PIB e cobrassemos de todos nosso arrecadação triplicaria.

    ResponderExcluir
  5. TEm gente tentando enganar neste blog: a alicota de ICMS é deferentes entre Estados da Federação, em alguns o ICMS e de 17% (Sergipe), na Bahia 12%. No Iraque tem as melhores rodovias e foram cosntruidas com dinheiro da venda de petróleo!!!!! É estranho as colocações da pessoa que viajou para o Iraque!!!!

    ResponderExcluir
  6. acho que falta vontade politica para realmente acontecer a tal reforma tributária,pois esses políticos corruptos,não estão nem aí para a economia do nosso país,não sabem nem quanto custa o litro da gasolina,claro quem paga a gasolina deles somos nós contribuintes,depois vão para tv falar que o brasil bateu recorde de produção de petróleo,para onde vai tal beneficio?para manter esse maquina do governo,que na realidade só atrapalha a economia,e nós temos que pagar uma das mais altas cargas de impostos do mundo sem nehum beneficio,é por isso que muita gente quer ser político....
    Um abraço a todos.

    ResponderExcluir
  7. O Brasil arrecada mais do que o suficiente pra ter serviços públicos de qualidade, porém gasta MAL, nosso sistema legislativo consome bilhões e os legisladores não fazem nada além de promover brigas políticas pelo poder. Sem contar no valor absurdo que o Brasil "economiza" para pagar os juros da dívida. Isso nunca vai mudar, Brasileiro é acomodado, quase metade da população do país está feliz em viver do Bolsa Família, em viver de esmola, não que a ajuda não seja importante, é sim, porém ela será usada no Brasil apenas pra sustentar vagabundos e não pra desenvolvimento social, que é o que deveria ser feito.

    ResponderExcluir
  8. Querer defender ,sob qualquer ponto de vista, a cobrança de imposto no Brasil é um ato de insanidade mental. Onde já se viu cobrança de 20% a 30% somente de ICMS em medicamentos. Isso é loucura !!! Se a pessoa não pode comprar o medicamento ela morre!!!! E tem gente que diz que o impostos são baratos no Brasil....pelo amor de Deus, né?
    Será que se tívessemos menos impostos não teríamos mais pessoas que poderiam comprar sua própia comida e seu própio medicamento, desonerando assim a bolsa família, bolsa alimentação e demais auxilios que na verdade só estão sendo usados pelo governo para manter um eleitorado "fidelizado"?

    ResponderExcluir
  9. Os comentaristas acima devem voltar para aulas de matemática ou procurar saber o que é PIB.Está
    bem claro as diferenças de arrecadação entre países ricos e países pobres.Não é possível termos serviços semelhantes ao de países de primeiro mundo com arrecadação muito inferior, se aqui pagamos escolas, saúde e outros seviços sem usar o serviço público, em outros países também acontece.Precisamos analisar dados e informações e não acreditar em tudo que a mídia apresenta como verdadeiro, sem antes fazer algum tipo de análise crítica.

    ResponderExcluir
  10. Pelo visto tem muito comentarista vindo aqui repetir o que ouve na televisão e se expressam como não estivessem lido o texto ou então são Analfabetas Funcionais mesmo. Para saber o tipos de Analfabetos é só lê o texto neste endereço: http://debatendo-a-educacao.blogspot.com/2011/04/os-tipos-de-analfabetismo.html

    ResponderExcluir
  11. iNFELISMENTE DISCORDO DA POSICAO DESTE PROFESSOR.
    PAGAMOS IMPOSTOS DE PAIS DE PRIMEIRO MUNDO E RECEBEMOS SERVICO DE QUINTO MUNDO,POIS AFINAL TUDO E PRIVADO;PEDAGIO,SAUDE.EDUCACAO,E POR AI VAI.
    ALEM DO MAIS PELO TANTO QUE O GOVERNO RECEBE E O SEU DESCOMPROMISSO PARA COM O CIDADAO BRASILEIRO A CONTA DA DIVIDA INTERNA ERA PARA ESTA DIMINUINDO,INVERSAMENTE SO SOBE COM ALTA TX DE JUROS,AFINAL O GOVERNO ARRECADA MAIS DE 1 TRILHAO EM IMPIOSTOS...
    PARA ONDE VAI TODO ESSE DINHEIRO SE AFINAL NOSSA DIVIDA INTERNA TA NA BEIRA DE 2 TRILHOES DE DOLARES?

    ResponderExcluir
  12. Tem gene colocando a culpa na Dívida Interna. Pra quem não sabe o Brasil já ficou independente assumindo a Dívida Externa de Portugal (já nasceu devendo). Mas, para entender como a Dívida Interna cresce e só lê o texto A Raposa tonado conta do galinheiro (de José Carlos Ruy) neste endereço: http://carlos-geografia.blogspot.com/2011/06/jose-carlos-ruy-quando-raposa-toma.html

    ResponderExcluir
  13. O texto acima não exclui a discussão sobre Reforma Tributária. Em 2008, na crise mundial, bastou reduzir o IPI para que a economia aquecesse e resultasse em aumento de arrecadação em plena crise. A alta carga tributária impede o crescimento, favorece a corrupção e alimenta um sistema político que precisa ser reformado urgentemente, pois ele é incapaz de fazer as Reformas e correções que o país necessita.

    ResponderExcluir
  14. O que os inimigos do Brasil e principalmente a mídia omitem é que quase 50% da arrecadação bruta brasileira pé para pagar os serviços e juros da dívida.

    Além disso o PNB brasileiro é 35% do PIB, ou seja quase dois terços da renda brasileira são enviados para o exterior. Ou seja, nós brasileiros trabalhamos para sustentar 3 Brasís equivalentes. Dois estão no exterior.

    ResponderExcluir