quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O sol foi privatizado na Espanha

A busca por fontes de energia renovável é uma das opções indicadas pelos especialistas em sustentabilidade, como alternativa para diminuir o impacto no meio ambiente e ao mesmo tempo proporcionar uma redução no custo gerado pelo consumo de eletricidade nas residências e indústrias.

Por outro lado, estas fontes renováveis são vistas como "ameaças" aos negócios das companhias energéticas, que temem uma provável queda no consumo de energia caso os cidadãos resolvam adotar fontes alternativas de energia como painéis fotovoltaicos (energia solar) ou geradores de energia eólica (usando a força dos ventos).

O primeiro país a se incomodar com isso foi à Espanha, ao definir um controle sobre a instalação de sistemas fotovoltaicos, por pressão das empresas elétricas espanholas.

Quem instalar placas solares para geração de energia doméstica sem a autorização do governo espanhol poderá ser multado em até 30 milhões de euros (cerca de R$ 100 milhões).

O Governo espanhol quer manter o controle das fontes renováveis e implantar o auto-consumo energético aos poucos, sem causar impactos no sistema tradicional. Para isso, quer implantar "pedágios" para a luz solar. "Vamos implantar um "pedágio" para a energia recebida do sol", resume Mario Sorinas, da empresa Electrobin.

"De cada 50 chamadas telefônicas recebidas, 35 são de particulares interessados no auto-consumo", diz Francesc Mateu, gerente da Sol Gironés, empresa especializada em energia renovável.

A União Espanhola Fotovoltaica (UNEF), que agrupa 300 empresas e representa 85% do setor, assegura que se alguém resolve implantar receptores de luz do sol isso sairia mais caro do que recorrer ao consumo convencional.

Se antes do "pedágio solar" era necessário 12 anos para recuperar o investimento em uma instalação residencial de 2,4 quilowatts de potência agora vai exigir 23, de acordo com estimativas da UNEF.

Será esta a melhor forma de administrar os recursos naturais?

Fonte: El País

Texto replicado neste endereço:

Um comentário:

  1. Quem disse que uma coisa dessa só acontece no Brasil???

    ResponderExcluir