quarta-feira, 13 de novembro de 2019

O Capitalismo, as facilidades e a dependência I

A facilidade se tornou difícil


Na década de 60, do século XX, a grande maioria da população brasileira ainda residia na Zona Rural. Nesta época, quase tudo que uma família precisava era produzido nas próprias fazenda onde residiam. Muitos residentes da Zona Rural chegavam a passar mais de seis meses sem irem visitar a cidades !


A alimentação era produzida na fazenda e era muito comum encontrar pessoas trabalhando fazendo fios de algodão para fabrico de tecidos, ou seja, até mesmo a grande maioria das vestimentas eram produzidas na própria Zona rural.
Fica fácil entender que nesta época não existia preocupação por parte dessas pessoas em seguir moda e o trabalho na lavoura era adicionado dos trabalhos domésticos na produção de alimentos e vestimentas.

Na década de 80, já eram vendidas roupas fabricadas em série e muitas pessoas já realizavam compra das vestimentas baseados no que se tornou seguir a moda! A roupa já deixou de ser produzida, mesmo as feitas para o trabalho na roça, de maneira artesanal nas grande fazendas. As pessoas compravam alegando facilidades em comprar vestimentas sem ter o trabalho de fazer o fio, tecer as panos (na época se dizia tercer as fazendas) e posteriormente custar as próprias vestimentas.

Mesmo com o aparecimento e venda de roupas feitas em séries, a alimentação da grande maioria das pessoas eram feitas com produtos plantados nessas fazenda, mas já começaram a aparecer produtos alimentícios em conservas vindos de fábricas distantes e que foram absorvidos alegando-se facilidades de se adquirir os mesmos.

O aparecimento de produtos fabricados, na grande maioria em regiões até desconhecidas desses consumidores, atingiu toda área de consumo humano na área alimentícia, vestimentas, calçados e até mesmo os produtos (ferramentas) utilizados para o plantio, substituindo ferramentas que muitas das vezes eram fabricadas por ferreiros da região. 

Com o decorrer do tempo, outras facilidades que amenizam o labor do trabalho agrícola foram aparecendo, tais como: o uso de energia elétrica, fornecimento de água tratada, transportes mais eficientes e rápidos, acesso a tratamento de saúde e até mesmo o acesso às escolas foram facilitados. Em decorrência, grande parte da população mudou-se da Zona rural para a Zona Urbana e criaram um vínculo de dependência com as facilidades oferecidas. 

A dependência é tão grande, em relação aos produtos e serviços oferecidos, que a suspensão desses serviços seriam um desastre social de proporções gigantescas. Imaginem esse pessoas deixando de ter energia durante seis meses ou os fabricantes de roupas e alimentos suspenderem as vendas por seis meses ou mais, seria o caos estabelecidos para todas essas pessoas devido a grande dependência e sem falar que grande parte das gerações atuais não sabem mais fabricar o tecido da própria roupa que está vestindo, não sabem como semear na agricultura, não sabem como fabricar sequer uma simples faca.

Claro que o aparecimentos desses produtos industrializados e o fornecimentos de serviços para atendimentos das necessidades básicas seriam e são consumidos já que facilitam a vida de todos, mas em decorrência criaram uma dependência tão grande que toda essa população se tornou presa fácil de ser controlada pelas grandes empresas que produzem esses produtos e serviços.

A produção desses produtos desocupou muitos artesãos que ficaram sem ter como ganhar o pão nosso de cada dia. Esses produtos facilitam o trabalho, mas para adquirir tais produtos a pessoas necessita ter algum meio de ganhar dinheiro.A ironia da vida acontece. Como a facilidade de produzir em série e a facilidade que se criou na vida dessas pessoas, se criou um exército de pessoas sem a necessidade dos serviços que elas faziam e elas ficaram sem dinheiro para comprar essas facilidades. Essa contradição, no capitalismo, gerou e está gerando muito desemprego e uma sensação de inutilidade para o cidadão !

Textos relacionados:
O  Capitalismo, as facilidades e a dependência

Nenhum comentário:

Postar um comentário